Arquivo da categoria: Campesinato

Para conter um surto de Covid-19, um prefeito corta as estradas de acesso de um bairro de trabalhadores rurais no interior de São Paulo

Por: Lilian Primi do Instituto Macuco, 6 de junho de 2020

Prefeitura de Taquaritinga fechou acessos de distritos a Cândido Rodrigues

A prefeitura de Taquaritinga interrompeu essa semana as duas vias de ligação dos distritos de Jurupema e Vila Negri à cidade de Cândido Rodrigues, na região Noroeste do Estado de São Paulo. O trânsito dessas vias, formado principalmente por distribuidores que fazem a colheita e o transporte de frutas da região, foi desviado para a rodovia Washington Luís, e direcionado para barreiras sanitárias instaladas na entrada de Taquaritinga. A medida foi tomada pelo prefeito Vanderlei Mársico, segundo notas da assessoria de imprensa da cidade, “após a prefeitura da cidade vizinha endurecer as medidas de isolamento social.” 

Nas redes sociais do pessoal que transita por ali, a informação que circulou é de que havia um surto de covid-19 descontrolado em Cândido Rodrigues, onde mais de 20 pessoas teriam sido contaminadas no velório de um parente morto pela doença. A Prefeitura estaria monitorando 63 pessoas que compareceram ao velório. “Está fora de controle lá”, disse um motorista.

“Esse surto é muito preocupante, porque de um lado vai afetar os trabalhadores na colheita, os agricultores familiares que também lidam com as lavouras e vai impactar no abastecimento interno de frutas. Pode ainda servir de vetor de disseminação”, alerta o engenheiro agrônomo Osvaldo Aly Junior, pesquisador do Núcleo de Pesquisa e Documentação Rural (Nupedor), da Universidade de Araraquara.

Taquaritinga, com 57 mil habitantes e 11 casos de covid-19 confirmados, é conhecida como “capital da goiaba”, sede da maior fábrica de goiabada da América do Sul, a Guari Fruits, e os 800 produtores instalados ali, 70% deles com propriedades de menos de 50 hectares, também plantam carambola, maracujá, abacate, lichia, tangerina, soja e amendoim, produzem leite e carne. A região é responsável por 40% da produção nacional de frutas e pelo abastecimento dos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. 

Cândido Rodrigues tem apenas 2.668 moradores e segundo o IBGE, 10 foram contaminados. Aly diz que a preocupação existe porque, embora pareça um problema local, a dinâmica do trabalho nas lavouras da região envolvem a movimentação intensa de trabalhadores. “Não são mão de obra fixa, trabalham em diferentes municípios dessa microrregião. Quem colhe em Cândido Rodrigues, colhe em Taquaritinga, em Monte Alto, em Jaboticabal, uma hora está na cana, outra na fruta. Ele anda na região. Há relatos de que é comum ver esse pessoal fazendo a colheita sem máscaras e sem distanciamento social”, diz.

Para continuar lendo, clicar no link a seguir:

https://www.congressointernacionaldotrabalho.com/copia-noticias-reabertura-sp

Using territory and self-determination to resist COVID-19 in the Mexican mountains

Por: Tania Eulalia Martinez Cruz, CASAS, 5 May 2020

Mexico is a diverse country and as such, each region is coping with COVID19 in different ways with the resources they have. Today, I will describe the coping mechanisms of my hometown, Tamazulapam Mixe, a little indigenous community located in the mountains of “Sierra Norte” in Oaxaca, Mexico. Many people know us as “the never conquered people”, who successfully resisted the colonizers when they came in the 1500s. We take pride in our maintained ‘sovereignty and autonomy’ connecting us to our territory and identity as Mixe or ‘Ayuuk’ people and which we have used to face many challenges like COVID19.

Sierra Mixe en el centro de Mexico
“Our territory and home, the place to enact self-determination.”

To learn more, continue reading at:

Resisting in the mountains in Mexico: using territory and self-determination to resist COVID-19

COVID-19 exposes the problems of land concentration: food imports and the limits of policies for peasant support in Paraguay

Por: Priscila Delgado de Carvalho, CASAS, 17 May 2020

Cocina popular en Paraguay
Fuente: CASAS – Collective of Agrarian Scholar-Activists from the South

The government of Paraguay adopted preventive sanitary measures on March 10th, prohibiting activities that gather many people, and, later, on March 28th, adopted stronger measures for isolation. On March 13th, the government announced an increase in the value of the cash transfer programs to the vulnerable and senior population (Tekoporã and Adulto Mayor). There were discussions about how to provide food baskets for poor families and the government finally decided to offer the support in the form of a bonus (of around USD 1-1,50/day, per family, the amount also being a contested issue). Around 24% of the population lives below the poverty line and widespread informal workers are especially affected by the isolation measures.

Fresh food prices (tomatoes, potatoes, onions) have risen abusively in the country – rural unions spoke of 100-500% raise. The increase was a consequence of impacts of the pandemics on food imports from Argentina and by intermediaries’ bad practices, says the Ministry of Agriculture and Livestock (MAG). Officials claimed that both governments were working to solve the problem. The Ministry has announced a decrease in taxes, supervision over intermediaries, price controls and active search for other importers. 

In Paraguay, agribusiness controls 94% of agricultural land. The remaining 6% is in the hands of small farmers – some producing for self-consumption and many far from the capital Assunción and its outskirts that concentrate ⅓ of the countries’ population. One of the consequences of this level of land concentration, allied to a lack of support for indigenous, peasants and small farmers, is that Paraguay depends on food imports. Paraguay is self-sufficient in yucca and banana only (Base Is, 2000). 

To find out more, continue reading this article at:

In Paraguay, COVID-19 exposes the problems of land concentration: food imports and the limits of policies for peasant support

En la era COVID, quales los problemas enfrentados por la pequeña agricultura familiar de Perú

por Melissa Donet* CEDEPAS Norte Perú 22/04/2020

En esta situación de cuarentena por la crisis sanitaria mundial causada por el Covid-19, obliga a ver el protagonismo y el rol que vienen cumpliendo las poblaciones rurales y especialmente de la pequeña agricultura familiar, que por múltiples razones se encuentran olvidados e invisibilizado por las autoridades que toman decisiones. Actualmente este sector concentra el 70% de la producción de alimentos para el país (Maletta, 2017).  La pequeña agricultura familiar en el Perú concentra el 81.8% del total de las unidades agropecuarias y brinda empleo a más de 3 millones de trabajadores agrarios (INEI, 2012).

Se estima que hay 1,849,904 hogares (22% del total de población) en el Perú vive en ámbitos rurales, de quienes su jefe de hogar tiene en promedio 49 años y al menos 1 persona por cada hogar es mayor de 65 años (INEI, 2019), reflejando el alto riesgo de estos hogares ante el virus. Haciendo una estimación de la pobreza rural en función a los datos del censo 2017 y ENAHO  2017 (INEI, 2018), encontramos que los 30 distritos con mayor pobreza rural, con índices que superan el 65% de su población; se encuentran en la sierra, principalmente en el departamento de Cajamarca.

Continua a leer en:

http://www.noticiasser.pe/index.php/informe/que-problemas-esta-enfrentando-la-pequena-agricultura-familiar
Foto © Luisenrrique Becerra | Noticias SER
  • Melissa Donet é gerente de la unidade estrategica do CEDEPAS Norte, o Centro Ecumenico de Promoção e Ação Social, que opera na região norte de Perú.

COVID y los trabajadores agroindustriales peruanos

por Ana Lucía Araujo Raurau*

Uno de los pilares del discurso que legitima el modelo del agronegocio en el Perú es la amplia y ascendente capacidad de las empresas agroindustriales para generar empleo formal. Efecto del progresivo crecimiento del sector y de su participación en mercados internacionales; lo que, a su vez, ha sido posible gracias al soporte sostenido del Estado a través de normas de fomento (como la Ley de promoción del sector agrario), la implementación de un régimen laboral que flexibiliza las relaciones de trabajo, y de subsidios públicos provistos con exclusividad a dichas empresas (Eguren y otros, 2017). Así, para el 2018, cerca de 300,000 personas fueron contratadas formalmente por las agroindustrias; aunque esta cifra ascendería al doble o triple si se sumase el empleo generado en rubros asociados según portavoces del gremio empresarial (Del Castillo, 2019). Como cereza del pastel de sus bondades, el sector se atribuye también los patrones de reducción de la pobreza y pobreza extrema de los territorios en los que operan.

Ahora bien, ¿cuál es la situación del sector agroindustrial en la crisis sanitaria en la que vivimos? El comunicado y posterior resolución emitida por el MINAGRI muestra evidentes contradicciones. Por un lado, enuncia la no paralización de la actividad agropecuaria con el fin de “asegurar la adquisición, producción, y abastecimiento de alimentos […] para la venta al público”-entiéndase, la producción esencial para el mercado interno-; por el otro, incluye en su listado el permiso de circulación al personal abocado a la “importación y exportación de productos agropecuarios”. Así, las grandes empresas orientadas por ejemplo, al cultivo de caña de azúcar para la producción de biocombustible, o de espárrago verde para la exportación al mercado europeo tienen pase libre para seguir. Como única restricción establecida, éstas pueden contratar sólo al número indispensable de trabajadores; disposición abierta que ha permitido, en la práctica, que las empresas sigan convocando a una vasta cantidad de asalariados a laborar en sus fundos.

Continuar leyendo en

http://www.noticiasser.pe/opinion/entre-la-precariedad-laboral-y-la-crisis-sanitaria-la-situacion-de-los-trabajadores

*Antropologa por la PUC-Perú. Miembro del FARS, sección de Estudios de Alimentación, Agricultura y la Sociedad Rural de la Associación de Estudos de América Latina (LASA). Publicado por la Asociación Servicios Educativos Rurales (SER).

Isolamento social provoca pausa na produção do Sítio Horta da Serra

Post de 5 de abril de 2020, atualizado dia 13 de abril, 2020

Nesta terceira semana de isolação social devido à pandemia do coronavírus / COVID-19, no início de abril de 2020, um produtor local de alimentos orgânicos em Itapecerica da Serra/SP, mandou a seguinte mensagem aos clientes do CSA (Agricultura apoiada pela comunidade):

“Devido à pandemia, nossos ajudantes estão cumprindo quarentena em suas casas. Eu e meu marido estamos sozinhos fazendo todas as tarefas do sítio. Na última semana nosso viveirista também entrou em quarentena e adquirimos então uma grande quantidade de mudas para não ficarmos desabastecidos. Por essa razão, teremos muito trabalho aqui no sítio nos próximos dias e infelizmente NÃO VAMOS CONSEGUIR FAZER A ENTREGA DO DIA 08/04. Pedimos desculpas pela falta, dia 15/04 voltaremos à fazer entregas normalmente e já teremos canteiros de verduras em ponto de colheita (antes dessa data enviaremos a lista com a previsão de produtos). Agradecemos a compreensão e desejamos à todos uma semana tranquila, com muita saúde e proteção!”

Nas últimas semanas, os donos da CSA, Elaine e Carlos de Moraes, fez esforço para não contribuir na transmissão comunitária da doença. Entregaram os alimentos vestidos de máscara e luvas. Recuando por uma semana, tomaram a liberdade de postar filmes da sua produção.

Veja a seguir a continuação da produção orgânica em Itapecerica da Serra em tempos de coronavírus. Estamos muito agradecidos pela dedicação de Elaine e Carlos, que voltaram atender pedidos na semana de 12 de abril.

A seguir faça uma visita virtual no Sítio Horta da Serra…

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2820106721387883&id=100001657498481

UNIFESP lança JURA de 2019

I Seminário Intercampi de Soberania Alimentar e Dinâmicas Urbanas faz parte

MST OCUPA DUAS FAZENDAS NO INTERIOR DE SÃO PAULO

A Região Sudoeste Paulista amanheceu com duas fazendas ocupadas na manhã deste sábado, 19 de agosto: a Lageado, no município de Itaporanga, e a Consteca/Caximba, no município de Apiaí, estas áreas são de responsabilidade do governo estadual e federal, respectivamente. As atividades compõem a Jornada Regional de Luta pela Terra “Izael Fagundes”, em memória de nosso companheiro, assentado, comunicador e histórico militante do MST que faleceu em abril de 2017.

A Fazenda Lageado, com cerca de 400 hectares, em Itaporanga (SP) e a Fazenda Can Can, com 685 hectares em Riversul (SP) foram destinadas pela Universidade de São Paulo (USP) para a Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo “José Gomes da Silva” – Itesp a partir do decreto 55.775, de 9 de dezembro de 2008, assinado pelo então governador José Serra. Desde 2007, as famílias do acampamento “8 de março” reivindicam o assentamento na Fazenda Can Can, nestes 10 anos de resistência enfrentam dificuldades de residir às margens da estrada municipal RVS 403, com péssimas condições de acesso , que teve por consequência a perda do ano escolar de 2016 por parte das 14 crianças que residem no acampamento. Por isso, reivindica-se que o ITESP acelere o processo de assentamento das famílias na fazenda Can Can e na fazenda Lageado.

A fazenda Caximba, também conhecida como Consteca, em Apiaí (SP) tem aproximadamente 2 mil hectares e está em processo de arrecadação judicial para pagamento de dívida do falido Banco América do Sul. A área faz divisa com o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) e desde 2015 é reivindicada por trabalhadores sem terra ao INCRA, para que continuem, à exemplo do PDS Luiz Davi de Macedo, produzindo alimentos agroecológicos, em respeito ao Meio Ambiente e à vida.

Além das fazendas ocupadas neste sábado, o MST denuncia a existência de outras terras públicas e reivindica que sejam destinadas para o assentamento das famílias acampadas:

– Fazenda Can Can, ocupada desde março de 2007. As 23 famílias do Acampamento “8 de março”, já foram legalmente selecionadas conforme publicação em 4 de agosto de 2012  no Diário Oficial (Poder Executivo, Seção 1, pág. 98), e que ainda não tem a efetivação do assentamento e, portanto, não podem acessar as políticas públicas que garantam melhores condições de vida e de trabalho.

– Horto Estadual, área reivindicada pelo acampamento Nova Esperança desde 2014, para que se converta as áreas da Fazenda Pirituba, entre Itapeva e Itaberá, ocupadas pelo monocultivo de Pinus um assentamento sustentável. O projeto de assentamento vinha sendo discutido junto ao Professor Paulo Kageyama e segue com o apoio de pesquisadores da Esalq/USP.

– Fazenda Santa Maria da Várzea: localizada em Itapetininga, sendo ocupada há dez anos por quarenta famílias do Acampamento “Santa Maria da Conquista”. Neste caso a área já foi desapropriada e o INCRA já emitiu os Títulos da Dívida Agrária para pagamento de benfeitorias e segue em disputa judicial com o antigo proprietário.

– Fazenda Sapituva, em Itapetininga (SP) e Fazenda Ligiane em Campina do Monte Alegre (SP) que já foram vistoriadas e desapropriadas, mas seguem em disputa entre o INCRA e os antigos proprietários.

Lutar! Construir Reforma Agrária Popular!

 

Contatos:

Magnólia: 15 99769 9420

Camila: 15 99647 6697

Cristiane: 15 9 9764 5631

Enviado por: Ana Terra Reis <anaterrareis@gmail.com>