Arquivo do dia: 12/07/2016

Land grabbing pension funds

International Financial Capital Targets Farmland in Brazil
  • Indigenous from various parts of Brazil watch the hoisting of a flag with an image of Indian leader Arnaldo Kaba of the village Mundurukoe, during a demonstration to defend the territorial rights of the Indigenous population against the government, agribusiness and large mining and energy companies.

    Indigenous from various parts of Brazil watch the hoisting of a flag with an image of Indian leader Arnaldo Kaba of the village Mundurukoe, during a demonstration to defend the territorial rights of the Indigenous population against the government, agribusiness and large mining and energy companies. | Photo: Reuters

Publicado originalmente em 19 June 2016
Land speculation stimulates the expansion of plantations across Brazil, increasing land conflicts and displacement of campesino and Indigenous communities.

Historically, Indigenous and peasant communities in Brazil have resisted against violence and displacement. Land concentration is a root cause of social and economic inequality, in a country where 1 percent of large landowners control over 90 percent of agricultural land. In the past 12 years, 390 Guarani Kaiowa Indigenous people were assassinated in the state of Mato Grosso do Sul, where agribusiness corporations and local large landowners have expanded monocropping of commodities.

RELATED:
Land Grabs Soar, Worsen Land Conflicts and Climate Change: Report

The BAMAPITO region, which combines the states of Bahia, Maranhão, Piauí and Tocantins, has also become a target for land speculation and the expansion of agribusiness. This savanna area, rich in biodiversity, has been the home of traditional peasant communities for hundreds of years. Recently, this so called “last agricultural frontier” is at risk of destruction by a wave of land speculation, deforestation and pollution of water sources. Land market speculation consists of the same logic as the stock market, by the “secret” purchase of “cheap” land and its negotiation at higher prices.

Especially since the global economic crisis that erupted in 2008, financial corporations have created new mechanisms to invest in farmland in the global South. After the collapse of real estate markets in the United States and Europe, pension funds, banks and other financial institutions targeted   farmland as a “safe” asset or as a “material” base that could facilitate the flow of international financial capital.

By 2012, over 1,200 land deals by foreign investors were identified, covering 83.2 million hectares, or 1.7 percent of the world’s agricultural lands. This global trend represents a massive transfer of natural resources from rural communities to agribusiness and financial corporations. Pension funds from Europe and the United States have made large investments in farmland in recent years.

Brazil has been one of the main countries where land speculation has greatly increased. One of the main local players is the sugarcane agribusiness corporationCosan through its real estate subsidiary Radar Agriculture Properties. This corporation is the largest sugarcane producer in Brazil, which preceded and laid the foundation for the current speculation on farmland.

By November 2012, Radar Corporation had acquired 392 farms in Brazil, covering 151,468 hectares, with an estimated value of around US$1 billion. Radar’s main source of funding is an international pension fund linked to the Teachers Insurance and Annuity Association – College Retirement Equities Fund Corporation (TIAA-CREF). This company manages pension funds in the United States with an estimated value of US$886 billion, and owns TIAA-CREF Global Agriculture LLC (TCGA), which operates on international land markets.

TIAA-CREF receives investments from other sources, such as the Second Swedish National Pension Fund (AP2), the Canadian-based Caisse de Depots et Placement du Quebec, the British Columbia Investment Management Corporation (bcIMC), the Stichting Pensionenfonds AEP from Holland, the Arzteversorung Westfalen-Lippe from Germany, the Cummins UK Pension Plan Trustee Ltd., the Environment Agency Pension Fund, the Greater Manchester Pension Fund and the New Mexico State Investment Council.

RELATED:
Brazil Coup Government to Legalize Foreign Land Grabbing

In order to operate in Brazil, TIAA-CREF Global Agriculture created a local holding company,Mansilla. Together, Mansilla and Cosan are the main shareholders of Radar, as they own 89.1 percent and 18.9 percent of the company, respectively. The creation of local subsidiary companies represents a strategy to subvert Brazilian laws that limit land acquisition by foreign corporations.

In addition to attracting investors from financial markets, the Brazilian sugar-energy sector have engaged in a series of mergers with oil and commodity trading corporations. The Royal Dutch Shell oil company entered the ethanol market byestablishing a joint venture with the Cosan Group in 2008. This association resulted in the creation of Raizen Corporation, which has become the largest ethanol producer in Brazil. This merger contributed to the monopoly of ethanol production, which is now largely controlled by the oil sector.

Farmland speculation can be seen as a new round in “idle” capital’s search for profit after the end of the 2003-2008 cycle of high commodity prices, which caused the price of arable land to grow exponentially. The increase in prices of Brazil’s main agricultural commodities for export led to the inflation of land prices as well. However, since 2008, the price of agricultural commodities have decreased, but the price of farmland continues to grow.

This process reveals a “detachment” between land markets and commodities markets, which means that land as an asset became the main target of financial investors, independently from agricultural production. Although the expansion of land markets stimulated extensive monocropping of agricultural commodities, such as sugar and soybeans, which increased labor exploitation and environmental destruction, the main purpose of this business is not necessarily agriculture production, but land speculation.

Land speculation stimulates the expansion of plantations across many states in Brazil, increasing land conflicts and displacement of campesinos and Indigenous communities. The territorial expansion of agribusiness occurs mainly in regions that are rich in water sources, biodiversity and infrastructure. As a result, the potential social and environmental impacts are alarming and can have severe consequences for Brazil’s capacity to guarantee food production for its internal market.

Maria Luisa Mendonça is a professor at the International Relations Department of University of Rio de Janeiro and Director of Brazil’s Network for Social Justice and Human Rights.

Fonte: http://www.telesurtv.net/english/opinion/International-Financial-Capital-Targets-Farmland-in-Brazil-20160619-0030.html

Anúncios

Atlas de veneno no campo

Um Atlas de nossa agricultura envenenada
POR JOÃO PERES
Da equipe, De Olho nos Ruralistas 02/07/2016

Os mapas produzidos por Larissa Mies Bombardi são chocantes. Quando você acha que já chegou ao fundo do poço, a professora de Geografia Agrária da USP passa para o mapa seguinte. E, acredite, o que era ruim fica pior. Mortes por intoxicação, mortes por suicídio, outras intoxicações causadas pelos agrotóxicos no Brasil. A pesquisadora reuniu os dados sobre os venenos agrícolas em uma sequência cartográfica que dá dimensão complexa a um problema pouco debatido no país.

Ver os mapas, porém, não é enxergar o todo: o Brasil tem um antigo problema de subnotificação de intoxicação por agrotóxicos. Muitas pessoas não chegam a procurar o Sistema Único de Saúde (SUS); muitos profissionais ignoram os sintomas provocados pelos venenos, que muitas vezes se confundem com doenças corriqueiras. Nos cálculos de quem atua na área, se tivemos 25 mil pessoas atingidas entre 2007 e 2014, multiplica-se o número por 50 e chega-se mais próximo da realidade: 1,25 milhão de casos em sete anos.

Além disso, Larissa leva em conta os registros do ministério da Saúde para enfermidades agudas, ou seja, aquelas direta e imediatamente conectadas aos agrotóxicos. As doenças crônicas, aquelas provocadas por anos e anos de exposição aos venenos, entre as quais o câncer, ficam de fora dos cálculos. “Esses dados mostram apenas a ponta do iceberg”, diz ela.

Ainda assim, são chocantes. O Brasil é campeão mundial no uso de agrotóxicos, posto roubado dos Estados Unidos na década passada e ao qual seguimos aferrados com unhas e dentes. A cada brasileiro cabe uma média de 5,2 litros de venenos por ano, o equivalente a duas garrafas e meia de refrigerante, ou a 14 latas de cerveja.

Pessoas intoxicadas por agrotóxicos-municipios 2007-2014

Em breve, todo o material reunido por Larissa será público. O livro Geografia sobre o uso de agrotóxicos no Brasil é uma espécie de atlas sobre o tema, com previsão de lançamento para o segundo semestre. Será um desenvolvimento do Pequeno Ensaio Cartográfico Sobre o Uso de Agrotóxicos no Brasil, já lançado este ano, com dados atualizados e mais detalhados. No período abrangido pela pesquisa, 2007-2014, foram 1.186 mortes diretamente relacionadas aos venenos. Ou uma a cada dois dias e meio:

– Isso é inaceitável. Num pacto de civilidade, que já era hora de termos, como a gente fala com tanta tranquilidade em avanço de agronegócio, de permitir pulverização aérea, se é diante desse quadro que a gente está vivendo? – indaga a professora, em entrevista nesta quarta-feira (28/06) ao De Olho nos Ruralistas.

O papel do agronegócio

Larissa fala de agronegócio porque é exatamente esse modelo o principal responsável pelas pulverizações. Os mapas mostram que a concentração dos casos de intoxicação coincide com as regiões onde estão as principais culturas do agronegócio no Brasil, como a soja, o milho e a cana de açúcar no Centro-Oeste, Sul e Sudeste. No Nordeste, por exemplo, a fruticultura. A divisão por Unidades da Federação e até por municípios comprovam com exatidão essa conexão.

A pesquisadora compara a relação dos brasileiros com agrotóxicos à maneira como os moradores dos Estados Unidos lidam com as armas: aceitamos correr um risco enorme. Quando se olha para um dos mapas, salta à vista a proporção entre suicídio e agrotóxicos. Em parte, explica Larissa, isso se deve ao fato de que estes casos são inescapavelmente registrados pelos órgãos públicos, ao passo que outros tipos de ocorrências escapam com mais facilidade. Mas, ainda assim, não é possível desconsiderar a maneira como distúrbios neurológicos são criados pelo uso intensivo dos chamados “defensivos agrícolas”, termo que a indústria utiliza para tentar atenuar os efeitos negativos das substâncias.

Pessoas intoxicadas por agrotóxicos 2007-2014

Soja, milho e cana, nesta ordem, comandam as aplicações. Uma relação exposta no mapa, que mostra um grande cinturão de intoxicações no centro-sul do país. São Paulo e Paraná aparecem em destaque em qualquer dos mapas, mas a professora adverte que não se pode desconsiderar a subnotificação no Mato Grosso, celeiro do agronegócio no século 21.

O veneno está na cidade

A conversa com o De Olho nos Ruralistas – durante gravação do piloto de um programa de TV pela internet – se deu em meio a algumas circunstâncias pouco alvissareiras para quem atua na área. Há alguns dias, a Rede Globo tem veiculado em um de seus espaços mais nobres, o intervalo do Jornal Nacional, uma campanha em favor do “agro”. Os vídeos institucionais têm um tom raríssimo na emissora da família Marinho, com defesa rasgada dos produtores rurais de grande porte.

“Querem substituir a ideia do latifúndio como atraso”, resume Larissa. Ela recorda que, além do tema dos agrotóxicos, o agronegócio é o responsável por trabalho escravo e desmatamento. E questiona a transformação do setor agroexportador em modelo de nação. “A alternativa que almejaríamos seria a construção de uma outra sociedade em que esse tipo de insumo não fosse utilizado. Almejamos uma agricultura agroecológica com base em uma ampla reforma agrária que revolucione essa forma de estar na sociedade.”

Pessoas intoxicadas por agrotóxicos-municipios 2007-2014

No mesmo dia da entrevista, o Diário Oficial da União trouxe a sanção, pelo presidente provisório, Michel Temer, da Lei 13.301. Em meio a uma série de iniciativas de combate à dengue e à zika, a legislação traz a autorização para que se realize pulverização aérea de venenos em cidades, sob o pretexto de combate ao mosquito Aedes aegypti. A medida recebeu parecer contrário do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, posição que foi ignorada por Temer.

Larissa considera que a medida representa um grande retrocesso e demonstra preocupação pelo fato de a realidade exposta em seus mapas ser elevada a potências ainda desconhecidas quando se transfere um problema rural para as cidades. “O agrotóxico se dispersa pelo ar, vai contaminar o solo, vai contaminar a água. O agrotóxico não desaparece. Ao contrário, ele permanece.” Em outras palavras: o veneno voa e mergulha. Alastra-se. E tem longa duração.

Fonte: http://outraspalavras.net/brasil/um-atlas-de-nossa-agricultura-envenenada/